AS MULHERES NA INFANTARIA


       
       Vieram a público algumas noticias sobre eventuais "exageros"ou "abusos"fisicos e psicológicos sobre uma aspirante de infantaria,durante o seu tirocínio em Mafra,que a teriam obrigado a abandonar o curso.
       Deixando para trás a controversa decisão de se permitir a entrada de cidadãos do sexo feminino para as Forças Armadas,de modo indiscriminatório,mandaria o bom senso e a equititividade,que da porta de armas para dentro não houvesse "machos" e "fêmeas",mas apenas um ser militar.Isto,sem embargo da salvaguarda de especificidades incontornáveis que distinguem homens e mulheres e que muitos "istas" da nossa praça pretendem aplainar querendo fazer igual aquilo que,naturalmente,é diferente.
       Como se já não fosse suficiente deixar invadir um instituição que foi sempre cumprindo bem a sua missão,durante seculos,sem precisar de incorporar mulheres,ainda as foram admitir em Armas e especialidades directamente expostas ao combate,quando não são mesmo o esteio desse combate - o que parece de todo contrário à compleição e natureza feminina.
       È o caso da Infantaria.
       A senhora aspirante era a primeira a aventurar-se a assumir tal desiderato como oficial do quadro permanente.A pressão psicológica era grande,como se deve compreender e como transparece numa entrvista que deu ao "Jornal do Exercito" em Janeiro deste ano.
       Mas para que haja sucesso os candidatos ao curso têm que ultrapassar as provas curriculares.Lá estão os instrutores - que não pertencem pr´priamente a uma associação de malfeitores,note-se -,para o aferirem.É campo onde não nos metemos.
       Acontece que a militar em questão,logo no inicio da instrução baixou à enfermaria e veio a ter que abandonar o curso por faltas.
       Durante um fim de semana em que foi a casa,sentindo-se mal foi ao hospital.O médico que a assistiu entendeu que o que observou poderia derivar de alguma "agressão"física e,ou,psicológica e como parece ser de lei,reportou o facto às autoridades competentes.
       O assunto caiu nos jornais e logo se relacionou as eventuais "lesões" com o ocorrido em Mafra.
       No "processo" relativo `a futura oficial existente na Escola Prática de Infantaria,nada constará passível de censura relativamente ao treino a que foi submetida.
       Somos sempre pelo apuramento da verdade dos factos e pela prevalência da Justiça.No entanto:
       Não parece bem fazer-se chicana nos "media" com coisas sérias;
       Ou haver aproveitamento jornalístico,ou não,para ataques infundados,ou em prol de interesses pessoais;
       Deve ter-se em conta que como me disse um instrutor em tempos idos "a infantaria não é nenhuma pêra doce",e que parece não haver nenhum infante no mundo que tenha chegado ao fim dos treinos sem um conjunto alargado de nódoas negras;
       A Infantaria se destina ao combate puro e duro e que tão importante é a preparação física como uma forte componente moral e psicológica;
       Nem toda a gente que se propõe atingir um objectivo na vida,tem capacidade para o levar a cabo.As coisas são como são e não podem ser de outra maneira.
       Ainda uma última achega:A chegada dos tirocinantes à EPI e respectivo curso envolve uma série de "praxes" e tradições antigas,que longe de estarem deslocadas,são fundamentais à vivência dos Exércitos,não só porque endurecem o corpo e a mente como,sobretudo,por criarem laços afectivos e deontológicos para todo o sempre;espírito de corpo;camaradagem e outros laços morais fundamentais à Instituição Militar e sem os quais esta não se sustenta.
       Falar do que não se sabe,ainda por cima podendo afectar negativamente um dos pilares da Nação Portuguesa,não parece ser o mais avisado.



                               
João José Brandão Ferreira
TCor/Pilav (Ref)
CMDT de Linha Aérea
       



Artigos
Desenvolvido por: Sטяicάtε - Direitos Reservados - All rights reserved