1972

Janeiro

Levantamento popular no Cunene contra a alta dos impostos, licenças e multas

1

Kaúlza de Arriaga anuncia que a «vitória final» sobre a FRELIMO está próxima

Denúncia dos massacres de Mucumbura pelo padre Joaquim Teles de Sampaio, da paróquia do Macuti, Beira

14

Prisão dos padres do Macuti pela DGS

Conclusão do inquérito feito pelo Exército aos massacres de Mocumbura, declarando-se não se provar «que as nossas tropas tenham cometido quaisquer represálias, violências ou massacres»

24

Golpe de mão de guerrilheiros do PAIGC, comandados por Queba Sambu, a Catió, no Sul da Guiné, durante o qual foram feitos prisioneiros dois militares portugueses

27

Convite ao Conselho de Segurança da ONU para enviar uma delegação às «áreas libertadas da Guiné-Bissau», feito pelo PAIGC

Fevereiro

1

Amílcar Cabral discursa no Conselho de Segurança da ONU, reunido em Adis Abeba, facto que ocorre pela primeira vez

2

Aprovação pelo Conselho de Segurança da ONU, reunido extraordinariamente em Adis Abeba, de uma resolução de apoio aos movimentos nacionalistas de Angola, Guiné e Moçambique

4

Primeira reunião do Grupo de Trabalho madeira, da DGS

Resolução do Conselho de Segurança da ONU que autoriza o envio de uma missão de visita às regiões libertadas da Guiné-Bissau

Março

Alerta de Amílcar Cabral contra um plano para liquidar o partido e o seu secretário-geral

Encontros secretos entre delegações de Portugal e do Senegal para a criação de uma comissão mista para controlo das fronteiras

1

Directiva do Comando-Chefe de Angola para a regulamentação do emprego de tropas especiais (TE)

Decisão, tomada pelo governador-geral Rebocho Vaz e pelo comandante-chefe de Angola Costa Gomes, para a entrega a Jonas Savimbi de um salvo-conduto

9

Ataque do PAIGC ao aeroporto de Bissalanca, próximo de Bissau

27

Concessão pelo Governo norueguês, de um subsidio ao PAIGC

Abril

2

Início de uma visita efectuada por uma missão especial das Nações Unidas às zonas da Guiné-Bissau controladas pelo PAIGC

Estabelecimento de um programa de ajuda da UNESCO ao MPLA no domínio da educação

14

Abate de uma avião militar português pela defesa antiaérea da Tanzânia

17

Divulgação de um manifesto da oposição «O Fracasso do Reformismo», denunciando a crise do regime

Carta de Spínola a Marcelo Caetano em que considera que «não ganharemos esta guerra pela força das armas»

General Paiva Brandão, chefe do Estado-Maior do Exército

20

Morte de três majores do Estado-Maior da Guiné numa emboscada montada pelo PAIGC quando se deslocavam para contacto com elementos deste movimento

25

Visita dos adidos militares dos Estados Unidos, Inglaterra, Venezuela e África do Sul à Guiné

29

Directiva do ministro da Defesa sobre a alta prioridade das Forças portuguesas à missão de informação, propaganda e contra propaganda

Maio

4

Recontro entre tropas portuguesas e do Malawi, junto à fronteira com Moçambique

18

Encontro de Spínola com Leopold Senghor, próximo da fronteira com a Guiné, no sentido de explorar as possibilidades de mediação entre as partes em conflito

19

Recondução de Spínola nos cargos de governador-geral e comandante-chefe da Guiné

25

Reunião no Luso, Angola, de delegações do exército português e da UNITA

26

Encontro de Marcelo Caetano com Spínola, a quem este transmite os resultados do seu encontro com Senghor (Senegal), afirmando Marcelo Caetano ser preferível perder a guerra a negociar a paz

27

Revelação pelo jornal Le Monde, de planos de Jorge Jardim para a constituição de um Governo em Moçambique semelhante ao Governo do Malawi

30

Proibição por Marcelo Caetano do prosseguimento de quaisquer conversações entre as autoridades portuguesas da Guiné e o Senegal, porque não seria aceite «qualquer hipótese de acordo negociado» e que «o Governo se encontrava preparado para uma derrota militar»

Junho

Encontro de Agostinho Neto e Holden Roberto em Rabat, para analisar formas de cooperação

6

Acusação dos padres do Macuti pelo Tribunal Militar de Lourenço Marques

13

Prisão em Moçambique de 32 membros da igreja Presbiteriana

18

Acusação de Marcelo Caetano à oposição, por esta ter aberto a «quarta frente de combate»

19

Publicação da Lei Orgânica do Ultramar Português

Julho

Execução de exercícios anti guerrilha nos principais centros urbanos de Angola

5

Decisão do Governo de libertar mais de 1.500 prisioneiros internados em campos situados nas colónias

11

Destruição pelas Brigadas Revolucionarias, em Cabo Ruivo, de 15 camiões destinados ao Exército português

25

Abertura da frente de Manica e Sofala por parte de FRELIMO

26

Criação do Comando das Cargas Críticas, destinado a coordenar toda a actividade de transporte de materiais críticos para a barragem de Cahora Bassa

28

Agravamento pelo Supremo Tribunal Militar, para dez anos de prisão da pena do capitão cubano Pedro Peralta

Agosto

Aníbal São José Lopes passa a coordenar as operações da DGS em Angola e Moçambique

Criação pelo Estado-Maior-General de uma rede de informações para actuar em diversos países africanos, chefiada por Alpoim Calvão

9

Acção da ARA de destruição de duas dezenas de torres eléctricas nas áreas de Lisboa, Porto e Coimbra, da rede eléctrica nacional

Setembro

15

Nomeação de Costa Gomes para o cargo de Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas

16

Patrulhas de voluntários civis fazem rusgas nos bairros populares de Luanda

18

Ataque simultâneo da FRELIMO a bases militares portuguesas no Niassa, Cabo Delgado e Tete

21

Estado de sítio na cidade da Praia, Cabo Verde, após confrontos entre populares e forças militares

22

Atribuição pela Assembleia Geral da ONU, do titulo de observadores a representantes dos movimentos nacionalistas de Angola, Guiné e Moçambique

30

Publicação da Lei Orgânica da DGS

Outubro

Nomeação de Santos e Castro para o cargo de governador-geral de Angola

2

Discurso de Rui Patrício na ONU, boicotado pela maioria dos delegados

16

Reconhecimento pela Assembleia Geral da ONU, do PAIGC como legitimo representante do povo da Guiné-Bissau e condenação de Portugal como ocupante ilegítimo

19

Intervenção de Amílcar Cabral na ONU, anunciando a próxima proclamação unilateral da independência da Guiné-Bissau

20

Resolução do Conselho de Segurança da ONU condenando Portugal pelo ataque a uma aldeia no Senegal

24

Carta de Spínola a Marcelo Caetano, solicitando autorização para se encontrar com Amílcar Cabral, que foi negada

Novembro

«Conversa em Família» de Marcelo Caetano, que critica o alarmismo de alguns vizinhos de Moçambique

Fim do mandato do embaixador americano em Lisboa, que se retira sem ser substituído, situação só solucionada em Janeiro de 1974

2

Reconhecimento pela Assembleia Geral da ONU, da legitimidade das lutas armadas contra Portugal, em África

11

Aprovação por unanimidade, pelo Conselho de segurança da ONU de uma resolução pedindo a Portugal que inicie conversações com «interlocutores válidos» para uma solução das guerras

Critica das autoridades rodesianas aos métodos de combate anti guerrilha de Kaúlza de Arriaga

13

Reconhecimento pelo Comité de Descolonização da ONU, dos movimentos nacionalistas como legítimos representantes dos povos de Angola, Guiné e Moçambique

22

Resolução do Conselho de Segurança da ONU, aprovada por unanimidade, sobre a politica colonial portuguesa, focando: reconhecimento da legitimidade das lutas travadas pelos movimentos de libertação e apelo ao Governo português para iniciar negociações

Dezembro

13

Acordo entre o MPLA e a FNLA para a constituição de organismos comuns às duas organizações

Acordo MPLA – FNLA assinado em Kinshasa por Agostinho Neto e Holden Roberto, que prevê a criação de órgãos superiores comuns

16

Massacre de Wiriyamu (Moçambique) efectuado por forças portuguesas

18

Um comandante do PAIGC refere, numa reunião com populações do interior, a utilização de uma nova arma contra as forças portuguesas na região do Cantanhez, anunciando a entrada em acção do míssil terra-ar

30

Inicio da vigília na Capela do Rato, em Lisboa, durante a qual um grupo de católicos aprova um documento contra a guerra colonial

31

Kaúlza de Arriaga manda arquivar um primeiro inquérito sobre os acontecimentos de Wiriyamu

Em documento oficial o comando militar português na Guiné prevê a utilização, pelo PAIGC, de canhões antiaéreos, lançadores múltiplos de foguetões, viaturas anfíbias, PT-76 e BTR-40 e carros de combate T-34, aumentando o seu potencial bélico